O beijo das Lésbicas na novela

Último capítulo da novela
Mulheres apaixonadas. Todos se casam, todos se beijam e os casais se completam na mais perfeita harmonia. Eu não assisti a nenhum outro capítulo, com excepção do último, por saber que parte da minha realidade de Homossexual seria retractada ali, para milhões de brasileiros.

Decepção. Frustração. O casal mais normal e equilibrado da trama, Clara e Rafaela, estava na iminência do beijo, o primeiro e último que trocariam durante toda a novela. Apesar do amor tão puro, sincero e verdadeiro das nossas lindas representantes Lésbicas, foi preciso armar um esquema de "cena de teatro" para que um tímido beijo acontecesse, com a desculpa de estarem representando um amor hétero clássico e consagrado da literatura. Só assim para terem permissão de se beijar, usando a ficção dentro da própria ficção. Foi preciso travestir uma delas de homem para que a cena não chocasse tanto. Ainda assim, foi praticamente um beijo, de boca fechada, como se qualquer coisa além disso fosse ofensivo.

O simples acto de um beijo de um casal que se ama, como tantos outros que ocorreram de língua e apaixonadamente em TODOS os capítulos da novela, foi mais uma vez impedido por uma parte da sociedade, encharcada da moral e podridão da igreja. Não há outra explicação, a não ser a religião, para justificar que um gesto natural de carinho seja mil vezes mais amaldiçoado que mortes trágicas, agressões, assaltos, explosões, cobiça, violência doméstica e ódio, fartamente mostrados na novela.

Tenho acompanhado os relatos de capítulos anteriores em que meus amigos diziam que elas se declaravam uma para a outra, que assumiam o seu amor dentro da trama, que se secavam depois do banho e que se abraçavam quando queriam demonstrar amor. Aliás, abraçar-se foi a única intimidade que puderam trocar em toda a novela. Fica visível a falta de veracidade dessa relação utópica que tentaram passar ao público. Digo utópica porque não existe casal que se ama e não se beija. Não existe casal que só se abraça, e se abraça, e se abraça, e se abraça...

Seguramente, muitas pessoas ainda no armário, com menor grau de consciência da sua sexualidade, acham que a novela foi um tremendo sucesso, um grande avanço do Movimento Gay, só por mostrar duas Lésbicas na trama. Isso porque as personagens fizeram o que essas pessoas jamais tiveram coragem ou sonharam ser capazes de fazer: assumir-se Homossexual. Por possuírem menos bagagem e auto-confiança, qualquer cena, qualquer enredo Gay na tv, é um avanço para elas. Mas para mim, que exijo igualdade de direitos e respeito já, que tenho muito orgulho de ser Gay e de não esconder isso de quem quer que seja, é um sinal de atraso, de fraqueza e de culpa.

Culpa porque o nosso amor continua sendo vergonhoso e nojento para boa parte das pessoas devido a nós mesmos. Devido à grande parcela de Gays e Lésbicas que morrem de vergonha de ser o que são, que juram até á morte que são héteros quando algum parente pergunta e que jamais tiveram a coragem de exigir de volta o seu espaço na sociedade, demonstrando carinho em público, como qualquer casal gay ou hétero normal faz.

Qualquer um poderia justificar isto dizendo que a sociedade não está preparada para isso, que ainda não evoluiu o suficiente para se acostumar a esta cena. Mas eu digo-lhes o seguinte: Ninguém jamais se vai acostumar com nada que não conhece e que não vê. Já passou da hora de nós mostrarmos que existimos, que amamos, choramos, nos apaixonamos, que estamos em todas as partes e que BEIJAMOS também. Ao invés de dar escândalo dentro da boate, pinta dentro do táxi ou rebolar na calçada ao voltar para casa com aquelas mochilas de uma alça só que atravessam o peito, junte um pouquinho de coragem, vença a covardia pelo menos uma vez na vida e beije quem você ama, fora de quatro paredes.

Vamos todos, Gays, Lésbicas e Transgêneros, esfregar na cara deles que temos namorados, esposas, maridos e companheiras, enfim que amamos alguém do mesmo sexo. Vamos fazer o mesmo que fazem com a gente diariamente em filmes, livros, revistas, outdoors, novelas e até propaganda de iogurte, mostrar que muito homem gosta de beijar homem na boca e que muita mulher só se sente completa se estiver abraçada à sua amada. Não dá para esperar a boa vontade deles, esperar que se acostumem, esperar que os velhinhos mais conservadores e sensíveis morram para que possamos finalmente viver nossas vidas.

Vamos dar um empurrão em quem quer sentar em cima de nós e mostrar que nosso lugar na sociedade é nosso de direito, que pagamos ingresso para estar aqui como todos os outros e que ninguém vai nos obrigar a sentar no chão só porque somos Gays. Nós queremos e merecemos a poltrona, pois não somos em nada inferiores aos demais.


Segue na pagina seguinte